Daniel 6.1-23

Ensino principal: A fé não teme as consequências, e Deus honra a fé. Às vezes Ele concede uma saída maravilhosa, como no caso de Daniel.

Introdução – Pela convivência temos relações com os nossos semelhantes; a fé é o que nos põe em contato com Deus. Devemos prezar, nutrir e exercitar a nossa fé, cuja provação é preciosa perante Deus (1 Pe 1.7).

1 – AS PESSOAS REFERIDAS
As principais pessoas referidas são: O rei Dario, Daniel, os 120 presidentes, e três príncipes (dos quais Daniel era um).

Dario era rei absoluto, mas respeitava as leis que ele mesmo tinha assinado. Era amigo de Daniel e quis ser seu protetor.

Daniel era homem temente a Deus e corajoso. Ocupava uma posição elevada e por isso perigosa. Sentia a necessidade de oração três vezes ao dia. Era intransigente no cumprimento dos seus deveres religiosos.

Os presidentes e príncipes o invejaram e se fizeram seus inimigos.

2 – O DECRETO ARDILOSO
Conseguiram induzir o rei a assinar um decreto que havia de envolver Daniel em uma desobediência, no caso de ele continuar em oração. Não podemos estranhar que o inimigo assalte a nossa vida espiritual.

3 – O CASTIGO
Daniel sofreu as consequências do pouco caso que fizera do decreto. Foi atirado aos leões.

4 – A SALVAÇÃO E A VINGANÇA
Dario, até o pôr do sol, trabalhou para o salvar da cova, mas debalde. Um anjo de Deus fechou a boca dos leões e assim o salvou. O rei, sabendo do milagre, resolveu a destruição dos presidentes iníquos.

Aplicação – Não temamos as consequências, uma vez que estejamos de acordo com a vontade de Deus. Sejamos fiéis em oração. Tenhamos confiança no Deus vivo.

Fonte: Maxmode